blog comments powered by Disqus

Malteses: Minha Paixão!

Maltês: O cão amigo e companheiro!

Oração de um cão abandonado.

Deus... Sei que sou um ser criado por ti, para ser amado pelos homens mas nasci sem a sorte de alguns de minha espécie...

Irish Wolfhound - O maior cão do mundo

Ele é enorme, de elevada estatura e dotado de excepcional força muscular. Não, não se trata do Rambo! Estamos falando do Irish Wolfhound, o grandão do mundo canino...

A espiritualidade dos animais.

Segundo a filosofia espírita, a evolução humana se inicia no nível da simplicidade moral e da ignorância intelectual, mas é antecedida por estágios evolutivos nos reinos inferiores da criação...

Guarda responsável é amar o seu animal.

Eles precisam de amor, carinho, compreensão... Dê amor a quem te dá a vida!

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Adolescente Arriscou a Vida para Resgatar seu Cão

Um garoto de 15 anos não pensou duas vezes quando se jogou em um rio, em Nottinghamshire, na Inglaterra, para resgatar seu cachorro que estava se afogando. Dean Allen ainda teve de massagear o peito de Bronk, um Bull Terrier, e fazer respiração boca-a-boca no cão de estimação para salvá-lo. 

“Bronk faz parte da família e, por isso, precisava salvá-lo”, contou o garoto. “Desde outubro, participo de aulas de primeiros socorros e aprendi o procedimento da respiração boca-a-boca para salvar alguém”, completou. 

Bronk e Dean caminhavam perto do rio Ryton, quando o cachorro saltou na água. No entanto, a coleira do cãozinho ficou presa e ele não conseguiu sair do rio sozinho. 

Após salvar seu cão de estimação, Dean foi correndo para casa. Chegando lá, contou a história para sua mãe, Julie, que levou Bronk correndo ao veterinário. “Não acreditei na história de primeira. Mas, quando vi que Bronk estava mal, decidi levá-lo ao veterinário”, disse. 

“Estou muito orgulhosa do meu filho. Ele correu muito perigo ao pular no rio”, completou. No veterinário, Bronk recebeu oxigênio e foi medicado. O cachorro passa bem. 

Fonte: Daily Mail Reporter

sábado, 9 de julho de 2011

Animais Que Doam Sangue e Salvam Vidas

Cães e gatos também podem ser doadores: além de salvar a vida de outros animais, a boa ação rende um check-up gratuito.

Aquele clássico slogan de campanha, "doe sangue, doe vida", não se aplica exclusivamente a seres humanos. Cães e gatos também podem socorrer outros animais da mesma espécie, apesar do desconhecimento da maioria dos donos.

Anemias, tumores cancerígenos, doenças como insuficiência renal e leucemia, atropelamento e intoxicação por veneno são alguns dos problemas que podem levar pets a necessitar de reposição sanguínea numa mesa cirúrgica. 

Assim como ocorre entre humanos, o bicho candidato precisa estar em forma e seguir à risca as exigências para se encaixar no perfil de um doador.

Segundo o veterinário Márcio Moreira, coordenador do banco de sangue do hospital veterinário da Universidade Anhembi Morumbi, em média, 20% dos bichos atendidos pelo hospital morrem por falta de doadores de sangue. Não existe uma estatística oficial para a cidade de São Paulo, mas os especialistas acreditam que esse percentual pode ser ainda maior.

Para tentar desenvolver o hábito entre os paulistanos e, com isso, salvar vidas, a universidade está organizando uma campanha. O dono liga para o hospital, marca um horário e leva o bicho até lá para doar.

Quem se submete à agulhinha passa por exames, como hemograma completo e sorologia, para detectar uma série de doenças infecciosas, transmitidas pelo sangue. Entre cães, as principais são erliquiose, conhecida como doença do carrapato, dirofilariose (verme do coração), leishmaniose e brucelose. Aids e leucemia felinas concentram as preocupações entre gatos.

O resultado dos exames demora cerca de uma semana. Geralmente, o laboratório encaminha para o dono por e-mail, fax ou correio. O objetivo dessas análises é minimizar o risco de transmissão de doenças infecciosas e de efeitos colaterais no receptor.

Bichos podem doar sangue, em média, a cada dois meses. No dia da picada, é recomendável que eles reduzam a carga de exercícios - melhor evitar passeios mais demorados, por exemplo.

Aquela tonturinha típica depois de doar sangue, comum em humanos, não costuma atordoar os animais domésticos. Rafaela Kley, veterinária do Hemovet, especialista em medicina transfusional, explica: "Em humanos, além do efeito psicológico, a queda de pressão é mais acentuada do que nos quadrúpedes".

O Hemovet trabalha com banco de sangue coletado de animais em canil. Como o hospital da Anhembi Morumbi, também recolhe de doadores voluntários, pré-agendados.

Doador Universal:

Gatos possuem três tipos de sangue: A, B e AB. Estudos internacionais detectaram cerca de 20 tipos sanguíneos entre os cães, mas seis são imprescindíveis dentro da chamada medicina transfusional: DEA ("dog erythrocyte antigen", antígeno eritrocitário canino, espécie de proteína encontrada na parede das células) 1.1, 1.2, 3, 4, 5 e 7.

Cães não nascem com anticorpos contra outros tipos sanguíneos, explica a veterinária Rafaela. Na primeira transfusão, o risco de reação é mínimo. Mas isso não impede que o mesmo animal volte a manifestar uma resposta negativa em outras transfusões; o que, inclusive, pode ser fatal.

Para evitar que a reação aconteça, antes de cada transfusão é feito um teste de compatibilidade que irá verificar a presença de anticorpos contra o sangue que o bicho vai receber. Para registro, o tipo sanguíneo canino mais comum é o DEA 1.1 positivo.

Pesquisas realizadas nos EUA revelam que a raça Greyhound – cão de corrida, de porte esguio e bem magro -, de tipo sanguíneo DEA 4, é doador universal.

Gatos são como os donos. Eles já nascem com anticorpos. "O bichano que tem sangue tipo AB, porém, é um receptor universal, ou seja, pode receber qualquer tipo de sangue", explica o veterinário Márcio.

Mas, para os bancos de sangue, desde que o material seja sadio, qualquer um dos tipos é bem-vindo.

O animal doador ganha uma medalha ou um biscotinho como agrado. Além de uma boa ação, é uma forma de manter a saúde do animal em dia sem gastar nada por isso.

Quem pode ser um doador:

Cão:

Peso mínimo de 27 kg;
Idade de um a oito anos;
Vermifugação e vacinação atualizadas;
Controle de ectoparasitas (carrapatos e pulgas);
Temperamento dócil;
Não ter passado por procedimento cirúrgico recentemente.

Gato:

Animal de ambiente interno (para evitar riscos de doenças infecciosas);
Peso mínimo de 4,5 kg;
Idade de um a sete anos;
Vermifugação e vacinação atualizadas;
Controle de ectoparasitas (carrapatos e pulgas);
O bicho precisa ser sedado para a doação;
Não ter passado por procedimento cirúrgico recentemente.

Onde doar:

Tel. (11) 60904693
Tel. (11) 69188050 

Fontes: Veterinários Márcio Moreira (Hospital Veterinário da Universidade Anhembi Morumbi) e Rafaela Kley (Hemovet)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More